domingo, 23 de setembro de 2007

"Mistérios e Magias"



Uma das experiências mais marcantes de minha vida, foi quando ainda bem jovem fui convidado para um congresso de Ufologia em Brasília, organizado pelo coronel Uchoa Cavalcanti, pessoal da rádio do Senado, ufólogos, paranormais e esotéricos de lá.
O convite partiu de uma grande amiga minha professora de Yoga, radialista, tradutora oficial, muito inteligente e culta, além de muito bela aos 42 anos.
Seu irmão era um dos organizadores e responsável pela mídia do Senado Federal, grande ufólogo com uma coletânea de material respeitável.
Não me deixei empolgar muito pela possível experiência, pois tinha uma imagem terrível de Brasília, não somente pelos políticos, como também por uma passagem por lá quando era criança ainda, de volta dos E.U.A, porque fiquei horrorizado pela poeira vermelha de barro puro, calor e sensação de mal estar geral.
Claro que isto foi no início , logo após a construção da cidade, pois sou bastante velho para ter nascido antes desta palhaçada do ex-presidente, sr. Juscelino Kubitsheck, cripto-judeu mineiro, que se achava a reencarnação de um notável faraó egípcio, capaz de produzir obras monumentais, enchendo os bolsos de seus compadres e protegidos, com o nosso dinheiro e nos levou a um ciclo de inflação que dilapidou nossa reservas e riquezas.
A viagem parecia normal, fomos de avião para não chegarmos cansados.
Mas...então algo estranho aconteceu...
De repente, um vulto compridíssimo, umas dez vezes , no mínimo, maior do que o nosso avião apareceu do meu lado esquerdo na janelinha. Logo outros passageiros se levantaram e vieram ver , fotografaram e quase entraram em pânico, não fosse a maioria que ali estava, ser de pessoas acostumadas a este assunto que para lá se dirigiam também para participarem do Congresso.
Todos, sem distinção, tiraram fotos e testemunharam, crédulos e incrédulos, pois o objeto não identificado, que parecia um imenso “charuto cinza”, ficou ali o tempo todo por uma meia-hora nos acompanhando de perto, até pousarmos.
Quando desembarcamos, eu e minha amiga , pegamos um táxi e, para minha surpresa, quando olhei para trás, lá estava “ele” , o “charuto voador” , forma bastante conhecida de OVNIS (Objetos Voadores Não Identificados), nos seguindo no trajeto até o apartamento de seu irmão.
Comecei a achar que todos nós havíamos bebido ou comido algo estragado...rssss. Afinal não se explicaria que TODOS no avião tivessem comprovado esta experiência inusitada.
Até então eu nunca havia visto um OVNI, marcianos, fadas , anjos e duendes talvez sim, mas nunca um charuto voador cinza, feio demais como aquele.
Parecia até coisa “freudiana”.
Porém, esta “aparição” do OVNI foi registrada na Central de Controle de Vôo da Aeronáutica e radares, conforme verificamos depois, por fontes militares de amigos nossos, que já tiveram contatos com Discos Voadores . Afinal, o próprio organizador e principal palestrante do Congresso era um coronel conceituado e respeitado.
O OVNI, tinha mais ou menos o tamanho do estádio do Maracanã do Rio de Janeiro, ou mais.
Se fosse brasileiro seria batizado como “charutão”, em vista de nosso complexo de Megalomania .
Porém, a coisa toda não parou por ai.
Mais surpresas me esperavam quando cheguei ao apartamento do tal irmão de minha amiga.
Ele tinha dois filhos (homens).
Um completamente retardado (não uso o termo “politicamente correto” de “excepcional” pois não sou ignorante e sei ler o que está nos dicionários), outro um verdadeiro “gênio”!
Depois de uma primeira apresentação e convívio, meio atropelado por algumas crise do menino deficiente, comecei a reparar no olhar fixo do outro filho, o que aos 11 anos pintava como os maiores gênios da humanidade, já tendo exposto no BB de lá e ganhado prêmios de pintura no gênero "fauvista".
Fiquei realmente meio incomodado pelo olhar fixo e mudez daquele garoto, até que , no dia seguinte, ao acordar em meu quarto de hóspedes, no enorme apartamento funcional, ao abrir a porta, lá estava ele sentado me esperando.
Ora meu Deus! O que era aquilo?
Ele sabia tudo de mim!
Coisas que nem mesmo minha amiga jamais soube.
Que eu era um exímio desenhista e pintor,desde a infância por causa de uma mediunidade de nascença e sem quase falar nada, apenas “trocando” por "Telepatia” me levou para ver os seus trabalhos.
Fiquei impressionadíssimo, pois ele usava a mesma técnica que incluía a pintura com os dedos .
Os trabalhos ali expostos eram de uma perfeição incrível.
Poderia assinar por cada mestre da pintura em que ele tivesse se inspirado no momento e recebido as vibrações.
A mãe dele, professora e especialista em crianças deficientes, me disse que ele pintava mesmo sob efeito mediúnico, com características de muitos dos maiores mestres da pintura.
No dia seguinte, lá estava ele me esperando acordar novamente sentado à minha porta .
Me deu o seu violão e disse; “eu sei, pegue e toque “.
Ele também sabia sobre minha vida como compositor e músico enquanto universitário e nisso posso confiar plenamente em minha amiga , pois ela jamais omitiria ter informado algo sobre mim , nem haveria qualquer motivo, porque estávamos trabalhando juntos naquela época como instrutores e ela foi a minha introdutora na Kundalini Yoga.
Passamos uma tarde tocando e cantando, como se entre pai e filho, em total harmonia e identificação, até que ele começou a falar algumas coisas e eu então citei a Renascença, porque saquei logo de onde vinha o nosso “vínculo” em reencarnações passadas.
Fomos irmãos em Florença (Itália), durante a Renascença , pintores artífices, especializados em capelas e importantes igrejas até hoje preservadas e famosas.
Daí para frente apenas “olhares” sem palavras, significavam tudo e todos ali presentes notaram a estranha comunicação mental entre nós.
Nosso café da manhã, numa cidade capital do país, cheia de energias negativas dos políticos , era um verdadeiro “oásis” de paz e troca de experiências.
Papos intermináveis somente sobre Esoterismo e as pessoas começavam a chegar , amigos vindos de tudo quanto era canto, alguns médiuns , outros jornalistas, escritores, artistas plásticos, um loucura total!
Antes do almoço apareceu um amigo deles, famoso vidente e resolvemos fazer uma sessão de meditação em círculo, unindo as mãos para passarmos a energia em corrente.
Janelas foram fechadas para ficarmos numa “penumbra” satisfatória à uma “visão” de nossos corpos astrais.
Que loucura aconteceu!
Um dos nossos, apenas um amigo de outro amigo, antes que o vidente pudesse falar algo, passou mal e praticamente desmaiou.
Logo vi que o seu “chacra cardíaco” estava perdendo energia e coloquei a mão , girando-a em sentido contrário ao da perda (centrífuga, anti-horária) forçando a centrípeda , para que se reanimasse, como ocorreu e ele se refez imediatamente.
A partir daí aconteceu de tudo, com o tal vidente falando sobre “anjos da guarda” , encarnações passadas, etc., mas o cara era muito modesto, humilde até, vi que ele estava com a melhor das intenções , apenas fazendo um favor aos amigos de tanto tempo.
Quando ele dizia algo, este “algo” aparecia para nós e todos vimos as imagens !
Eu sentia que alguma transformação estava se efetuando em mim, não somente por causa do início de meu “despertar da energia Kundalini” na Yoga Tântrica, mas pelo “clima” e “atmosfera”que me envolvia, como se fossemos todos “irmãos
de longo tempo”.
Foram muitas as experiências paranormais.
O irmão de minha amiga, o tal que também organizava e seria um dos palestrantes representando os ufólogos de Brasília e trabalhava no Senado, recebeu uma “comunicação” de “alienígenas, para não comparecer ou teria problemas se divulgasse as fitas gravadas em seu sítio , onde ele construiu um “discoporto” e local para recebimento mediúnico de mensagens telepáticas daqueles seres espaciais, extraterrenos.
Pode parecer à primeira vista uma loucura total , mas os participantes eram pessoas da área científica, acadêmicos de universidades, militares e de outras atividades idôneas.
Pois vejam só o que aconteceu.
Na véspera , ele tentou subir numa árvore em seu sítio, caindo e se machucando muito.
Fomos para o hospital e lá eu tive uma das mais emocionantes experiências , enquanto esperava que ele tirasse radiografias.
Vi uma senhora bem idosa, deitada numa maca no corredor com uma terrível fratura exposta na perna.
Estava lá, abandonada, sem cuidados e totalmente desesperada, repetindo que não sabia o que faria, pois vivia de lavar roupas, o muro de sua casa desabou e não poderia mais sobreviver se tivesse de ficar paralisada para a recuperação. Tinha dependentes.
Sei lá o que me deu , mas fiquei ao lado dela por bom tempo consolando-a, pois, de repente , vi nela a imagem de minha avó.
Após isto ela se recuperou e ficou mais tranqüila.
Meu amigo ficou impedido de participar do Congresso como palestrante.
“Praga dos ETs!”.
Rssss.
Mas ele me permitiu tirar cópias de todas as fitas, apenas me avisando que talvez eu não conseguisse sair dali com elas intactas.
Depois do Congresso, que correu bem, apesar da ausência deste importante depoimento do irmão de minha amiga , onde encontrei gente bem mais louca do que eu, embora amparada por idoneidade profissional no campo científico.
Cuidei de colocar as fitas em local seguro, sem influências ou radiações eletromagnéticas e revisei-as todas até dormir.
Não me afastei delas nem um segundo.
Resolvemos voltar de ônibus e a viagem foi tranqüila, porém, ao colocar o fone de ouvido , quase já chegando no Rio , só pude ouvir chiados de freqüências misturadas.!
Minha amiga me olhou e disse; “ninguém jamais conseguiu sair de lá com estas fitas intactas”.
As mensagens ali contidas sobre o nosso futuro e informações tecnológicas científicas de enorme importância, não poderiam cair em mão impróprias nem serem divulgadas.
Memorizei algumas e entendi a razão desta preocupação.
Ahhhh....quase me esqueci de outra experiência muito marcante , lá em Planaltina,no "Vale do Amanhecer", nos arredores de Brasília.
Fomos convidados para uma conversa em particular, pelo representante da “Tia Neiva” o jornalista Mário.
Para lá fomos nós quatro e ela nos esperava.
Já não concedia entrevistas nem audiências .
Se recusava até para reportagens de revistas.
Estava completamente reclusa . Nem políticos atendia.
Visitamos o local , assistimos algumas meditações e rituais até que “Tia Neiva” nos recebeu em seu aposento particular.
Depois de alguns papos, (eu apenas assistia, sem participar de nada), nos despedimos, mas...ela... de repente... me chamou... olhou fixamente em meus olhos e disse; “você voltará, estaremos lhe esperando!”.
Aquilo me gelou e me arrepiou até o último fio de cabelo!
Pouco tempo após ela faleceu.
E eu não retornei...ainda...
Quem sabe?

7 comentários:

Heloisa disse...

Que maravilha, Homero. Adoraria que você continuasse nesta linha. Beijos,
Heloisa.

Anônimo disse...

Pois é Homero...
Acredito que todos têm alguma missão.
Acho que este blog pode contribuir muito para suas descobertas e para aqueles que estão despertos.

Angélica disse...

Belo texto, Homero, adorei.

Anônimo disse...

Arrepiei com esta estória.
Moro em Santos, litoral Paulista, alguns anos atras eu e minha família presenciamos no céu um objeto redondo com milhares de luzes, ficamos impressionados, mas derrepente sumiu de nossa visão, mas guardo até hoje esta imagem e olha que tinha gente que nunca acreditou e ficou pasmo com o que viu. Mistério...

Homero Moutinho Filho disse...

Obrigado amigos(as)
Embora este tipo de assunto não atraia tantos visitantes e comentários como os mais supérfluos, sempre é bom mantê-lo como linha de matérias deste blog.
Não me afastarei desta origem e decisão em criar este blog para abordar estes temas, por causa de IBOPE ou outros interesses.
Prezo a "QUALIDADE" não a "QUANTIDADE".

Lourenço disse...

Muito bom o texto!

Clara disse...

Sobre seu comentário "Um completamente retardado (não uso o termo “politicamente correto” de “excepcional” pois não sou ignorante e sei ler o que está nos dicionários), outro um verdadeiro “gênio”!"

Cabe dizer que excepcional significa TER CARÁTER DE EXCEÇÃO, que foge à normalidade ou ao tradicional; anormal; TAMBÉM excelente; ou seja, tanto pode ser usado para pessoa q possuí alguma deficiência quanto para alguém com grau de eficiência superior ao padrão ou algo diferente do comum.
Menino excepcional (deficiente), pianista excepcional (excelente), calor excepcional (fora de época).