sexta-feira, 16 de julho de 2010

Caso Bruno. Promiscuidade total?

Isto não é mais um caso criminal, pois mais parece um peripatético exemplo de permissividade e total ausência ou resquício de qualquer moral, envolvendo a atual companheira, a ex-noiva, outra amante, um "adorador" que não saiu do armário (macarrão), um menor dependente de drogas, um primo violento (Sérgio), mães e avós, amigas e cúmplices, abrangendo mais de 12 pessoas ao todo, pelo menos, contando com as receptoras da criança, enquanto a mãe sofria torturas físicas.
E quem é o centro , o responsável por esta devassidão criminosa que resultou num crime hediondo?
O Bruno, um réles ser, de origem triste, abandonado pelos pais aos 3 dias e criado pelos avós, agora um corpulento e milionário do futebol, embora ainda ignorante, recalcado e prepotente, por causa de seu poder financeiro, que se acreditava um ídolo e assim foi mimado e alimentado pelos seus "agregados" amigos e familiares, sugadores de sangue, sempre dependentes de quem os supria do que jamais poderiam ter por sua classe social.
Juntem muito dinheiro com nenhum lastro familiar e origem pobre e teremos um risco enorme de casos semelhantes, como sempre temos, por fatos recentes, envolvendo nossos grandes ídolos do futebol, na verdade, crianças carentes que nunca tiveram, mas, quando têm, são como o velho ditado popular, que diz; "quem nunca comeu melado, quando come, se lambuja".
Triste, mas é a mais pura verdade, constatarmos que a riqueza nem sempre é uma coisa que corrobore a "justiça social", como pretendem muitos em suas ideologias.
Hoje, qualquer um que ganhe o suficiente, se igualará a outros que já nasceram ricos e mais educados, terão as mesmas possibilidades e viverão nos mesmos locais destinados às elites.
Seria isto uma espécie de "Comunismo", dentro de um sistema capitalista selvagem, como no Brasil?
Parece que sim, pois no Comunismo estatal, somente os altos burocratas e líderes do partido têm as benesses do Estado e vivem como viviam os aristocratas e família do Csar, assassinados sem dó. Todos herdaram as "dachas", casas de campo luxuosas e lá vivem até hoje, enquanto os nossos aqui, os sindicalistas recém alçados em nível, pelos cargos federais ganhos desde que o "proletariado" assumiu o poder, bebem vinhos de 6 mil dólares a garrafa, fumam charutos "havana" como o José Dirceu, o desmascarado e renascido das cinzas criminais; Genoino, que ainda se mantem no cargo político, além de outros tantos da "camarilha corrupta mensalista", que não foi presa nem sofreu nenhum castigo judicial, somente o idiota do Collor e seu braço direito assassinado; PC Farias, pois, naquela época, não havia a permissão para o "lobby" como hoje há e tantos circulam na Câmara e no Senado com suas "plaquinhas" de "lobbistas".
O Brasil, com suas políticas de "pobrezinho", inclusão social, democracia popular demagógica, alicerçada em benefícios aos preguiçosos e paternalmente irresponsáveis, que fazem filhos e abandonam mães solteiras, que ganham conforme sua quantidade de crias subnutridas e mentalmente inválidas para o futuro, não me parece ter um futuro tão favorável quanto alguns dizem e temo, que tenhamos um aumento enorme de casos criminais como este do goleiro Bruno, que chocou a nação.
Um ignorante "paleolítico" lá, no Maranhão estuprou e manteve uma família inteira por décadas até as netas em cativeiro. Outro, o irmão do Bruno também estuprou por lá e está preso, mas disse que ainda rirá muito disso tudo.
Uma menina no Pará foi jogada num cárcere, com mais de 11 homens , estuprada e torturada por meses e nem a juiza foi condenada.
Que país é este minha gente?
O que a rede Globo pretende mostrar, de uma democracia racial, inclusão e oportunidades para as classes mais baixas ou a realidade que nos oprime violentamente nas ruas e em nossas casas, como "reféns da insegurança"?
Em quem podemos confiar?
Em policiais e seguranças, vinculados a grupos de extermínio e homens da mesma origem dos nossos meliantes?
Entenderam agora sobre o que sempre disse por anos, de que somos "crianças brincando na praça, cercados de predadores"?
Além do pior, que nos afasta dos povos mais desenvolvidos, pois somos desarmados!
A clase média de Nova Orleáns, reagiu com armas e se salvou dos vândalos e saqueadores, durante os estragos do furacão "Katrina".
E se fossemos nós, desarmados e expostos a qualquer ataque, como sofreram as vítimas inocentes em abrigos improvisados por lá, que tiveram de ver suas crianças estupradas e degoladas, retiradas violentamente dos pais e avós?
Não foi por nada, que apoiei fortemente a reação contra a campanha do desarmamento neste blog e me senti vitorioso, como muitos tantos neste Brasil.
Para outros tantos como o Bruno, seus comparsas, suas amantes, policiais e dependentes ignorantes, retardados mentais, psicopatas assassinos, teremos de ostentar nossa defesa , que seja pelas armas , por justiça e proteção aos nossos valores morais e integridade familiar, perante um mundo estranho e selvagem, que nos oprime, nos condena ao medo, ao constrangimento de nos encarcerarmos em nossas casas e apartamentos, dirigirmos nossos carros receosos de um ataque qualquer e outras violências comuns.
Este é o nosso país do "goleiro milionário", sem eira nem beira, boçal e de outros seus "amigos", jogadores de futebol, dirigentes e políticos, tão afeitos a orgias sexuais e símbolos de riqueza e poder.
Triste realidade a nossa...

20 comentários:

Sol disse...

O caso "Bruno", virou um esgoto, vários "ratos e ratas" na mesma sujeira.

É triste perceber, o papel que cada mulher desempenhou nesta história, á começar pelas mães dos "protagonistas", os dois, foram abandonados ainda nos primeiros meses de vida, coinscidencia ou não, me parece que este foi um fator determinante.

O desrespeito dele pelas mulheres com quem convivia e dela consigo mesma, não podemos esquecer de como ganhava seu sustento.

A "esposa legítima", tendo "duas filhas" que agora,estão sendo cuidadas por outras pessoas.

A "amante", mãe de um adolescente, belo exemplo! baladeira, frequentadora de boates, saindo com homem casado, por dinheiro e status, sabemos que o poder e dinheiro são armas sedutoras, mas a que preço?

Solange

Sol disse...

Li á pouco, que a Campanha de Dilma, conta com vários cabos "eleitorais pagos" , para "animar" os comícios,o pior é, que esta prática está sendo "copiada" por outros candidatos, fico imaginando se, em cidades consideradas grandes acontece, o que dirá nas menores, onde se sobrevive apenas com as "bolsas esmolas"?

O que devemos esperar,de pessoas que "se vendem" por tão pouco?

Tudo entrou em degradação, a educação , o respeito, com dinheiro se "lava" tudo, até a honra e o caráter.

O que estamos vendo hoje, nada mais é, do que a inversão dos valores, o consumismo exagerado e a cultura da estética, sendo assim, não podemos esperar nada de bom desta geração.

Solange

roy disse...

apocalipse ja , pra consertar a balburdia e podridão que esta hoje a humanidade !

clarissa disse...

como sempre brilhante Homero, faco minhas suas palavras bjaoooooo Cla.

Nininha disse...

Bom dia, Homero, chego a ficar com dor de cabeça de tanto que ouço falar desse assunto, mas é o do momento.
Coisas que não entendo: se Elizia sabia que estava correndo perigo, pq não fugiu?
E pq ela não queria, o pai nem a mãe com a guarda da criança? (se disse isso, sabia que ia morrer).
Como o menor sabe tantos detalhes com resquícios de maldades?
Convívio com traficantes?
Pq a mãe do menor diz que ele mente? (tentativa de livrar o Bruno? ou maior participação do menor?)
Mesmo dando pedaços do corpo para os cães e concretando o resto, cadê o sangue?
Será que só a prova de paternidade, seria motivo para um crime bárbaro assim?(penso que não).
Bem...nas minhas conclusões de torcedora do Flamengo, e depois de criticar a Patricia Amorim por afastar o Andrade e Marcos Brás do comando do Flamengo, vem a certeza de que a ponta do iceberg já era vista por muitos.
Muita coisa ainda vai aparecer, tem muita podridão no ar.
Espero que tudo isso passe, e que o Flamengo consiga se livrar desses problemas.
E nós, seus torcedores voltemos a sorrir.

Sol disse...

Bom dia Homero!

E o frio continua!, dá uma preguiça, mas não tem jeito, as tarefas me chamam.

Lendo os comentários de Nininha, também tenho algumas dúvidas, mas penso, que este crime foi planejado pelo tal ex policial, como disseram nas reportagens que li, o homem é especialista em matar e sumir com os corpos, haja visto, as outras duas acusações que pesam sobre ele.

Só ele teria condições e conhecimentos para limpar o ambiente e não deixar vestígios, os demais fizeram uma lambança danada, deixando rastros por onde passaram.

Como foi divulgado, Bruno é o "grande pai", responsável, pelo sustento deste bando e suas famílias,se algo lhe acontecer, como ficará esta raça de inúteis?

Impossível, que tenham feito todas as barbaridades que lemos e ouvimos e ele, não tomar conhecimento de nada,pelo menos nos lugares ,em que precisava de identificação seu nome aparece, então, não há como excluí-lo do crime, com maior ou menor participação, ele sim, foi o motivador de tudo que fizeram com Eliza.

Solange

Sol disse...

Tem uma entrevista muito boa, com Patrícia Amorim , na Revista Época.

Tem boas intenções e se cercou de pessoas competentes nesta dura empreitada, acredita que com o título do Brasileiro, ficou difícil mexer no vespeiro e só agora, com o caso Bruno teve moral para impor seu trabalho e novas regras e normas, cita Adriano, Wagner Love e Bruno, como os maiores responsáveis pela bagunça que se instalou na Gávea.

Agora tem, inclusive o apóio do grupo de jogadores, que estão se sentindo prejudicados, coragem ela tem, espero que também tenha sorte, será uma tarefa dificil mas não impossível, o "galinho" está lá como exemplo, de que não é preciso ser baderneiro e nem baladeiro para conquistar títulos.

Solange

Homero Moutinho Filho disse...

Nininha.

Enquanto houver torcedores que assistam jogos e vão aos estádios, compradores de cds de funk, pagode, hip rock, de roqueiros drogados, rappers bilionários como o ex-marginal 50 Cent, cuja fortuna atinge 320 milhões de dólares, anormais psicopatas virando ídolos e mitos como o Michael Jackson, Amy, Lady Gaga, ou devassos como a Madona, pelo público adorados, teremos esta sociedade violenta e imoral.
A origem é o principal fator, pois elementos oriundos de "senzalas periféricas" têm baixa autoestima e nenhum exemplo de estrutura familiar. Quando enriquecem querem, por recalque, mostrar e abusar do poder que alcançaram.
Dar oportunidades nos esportes para a garotada pobre não elimina a delinquência, nem pode ser considerada política de inclusão.
A maioria da humanidade sofre de problemas mentais e nem deveria estar solta nas ruas, é ignorante, não sabe escolher e decide errado, elege corruptos e cultua o que há de mais bizarro e anormal.
Se, por um lado, o Capitalismo selvagem é nojento e imoral, por outro, o Comunismo se infiltrou e contaminou as cátedras universitárias e meio artístico-intelectual, incutindo um complexo de culpa artificial na burguesia, que tolera e absorve hábitos e culturas primitivas advindas do que temos de mais baixo e execrável ambiente social, como se fossemos os responsáveis por todas as mazelas e desigualdades existentes.
Chegamos a ter vergonha por termos tido educação,família e bom emprego conseguido por nossos méritos e trabalho.
Enriquecemos da noite para o dia, elementos nascidos e criados no convívio com a marginalidade promíscua e violenta, assim como pessoas sem moral que sobrevivem pela venda do corpo e aparência.
Toda sociedade hedonista, cedo ou tarde sucumbe e é extinta.
Uma hecatombe mundial, seria o remédio ideal para expurgar o excesso de almas neste planeta.
É da natureza humana ou animal a concorrência e disputa entres os genes, exacerbada quando existem diferenças, sejam elas étnicas, sociais, religiosas ou culturais, em luta pelo domínio e autoafirmação.
A "tolerância" é um mito, uma falácia, pois ter de aceitar o que no íntimo não desejamos aceitar nem absorver é uma violência contra a nossa individualidade e liberdade de escolha.
Não é pelo fato de alguém se tornar um ídolo que se transformará em algo que não é. O sérvio "Pet" é o mais popular e querido jogador do Flamengo, ao mesmo tempo o mais sério e respeitado pelos colegas. Jamais vimos os campeões mundiais; Kaká, Bebeto, Falcão, Zico, Rivelino, etc, envolvidos em escândalos, orgias, agressões ou convívio com meliantes, porque todos tiveram boa estrutura familiar e meio saudável.
Nenhum deles demonstrou gosto por orgias, autopromoção, filhos bastardos ou amantes, muito menos necessidade de aparentar "status" social.
Se para ser lixeiro exige-se instrução educacional de nível médio, para políticos, jogadores, atletas e artistas deveriam exigir nível universitário, exame psicológico e vestibular, pois influem fortemente como exemplos para o povo.
No caso dos políticos, melhor seria exterminá-los como "baratas" pestilentas.

Homero Moutinho Filho disse...

Uma correção.
Zico e Falcão não foram campeões mundiais pela seleção brasileira.

Homero Moutinho Filho disse...

Solange.

"Adriano, Wagner Love e Bruno".

O que você postou, confirma minha opinião acima explicada, sobre as origens e que a inclusão social pelo esporte não funciona favoravelmente sendo uma falácia.

Homero Moutinho Filho disse...

Comparem as vidas de ídolos sertanejos com as de outros oriundos das favelas e periferias pobres urbanas e vejam as diferenças de formação familiar, educação e comportamento.
O meio cultural e heranças atávicas são muito importantes.

Sol disse...

Infelizmente, o que mais aparece é, a banda podre, temos vários exemplos de que não é preciso se "jogar" na vida para ser reconhecido,o problema é que houve um desmanche na estrutura familiar e na educação,muitos dos "ídolos" do passado também nasceram em berços humildes, mas tiveram boa formação moral e souberam aproveitar as oportunidades, talvez, porque o dinheiro tinha outro valor, não era tão fácil ser conquistado.

Hoje, qualquer garoto saído das bases de um clube, fazendo um jogo da divisão profissional, ganha um "bicho", que equivale ao salário da mãe ou do pai de um ano inteiro de trabalho, é ou não uma loucura?, se não tiver orientação e estrutura, entra em paranóia.

A responsabilidade também e´,de quem trabalho nos bastidores,que sabendo de tudo isto, não oferece nenhum suporte psicológico, só querem lucrar e aparecer.

Solange

Homero Moutinho Filho disse...

Solange.

"berço humilde" não existe mais.

ednanataly disse...

Homero, sua indignação com um crime brutal é aceitável e até discutível. Agora colocar isso como um divisor de águas, chega a ser absurdo, pois não é separando o rico do pobre q não existirá violência. Quando vc diz “Hoje, qualquer um que ganhe o suficiente, se igualará a outros que já nasceram ricos e mais educados, terão as mesmas possibilidades e viverão nos mesmos locais destinados às elites”.????? Então as pessoas não podem se misturar ou apenas conviver se não for do mesmo círculo social?
Vale lembrar que os assassinos que queimaram o indio em Brasilia eram todos ricos, e estão hoje trabalhando no TJ do DF ganhando sálarios que a maioria dos brasileiros não vão ganhar. O estudante de medicina q matou pessoas inocentes no cinema em SP também é de classe alta. O Casal Nardoni também, ou seja , a violência está em qualquer classe social, é óbvio q com os ricos são minoria porque esses ricos são minoria num país de maioria pobre ou miserável, é questão puramente matemática. Com relação a inclusão, num país q 80% da população é discriminado (pobre, preto, gay, gordo, indio...) é obrigação do governo oferecer a inclusão, se a política não funciona cabe a nós cidadãos cobrar.
Entendo sua indignação, mas separar pobre do rico como se isso fosse resolver o problema grave social q o Brasil ou todo o mundo passa chega ser arrogante.

Nininha disse...

obrigada, Homero, por me responder,
o que preocupa agora, li hoje um artigo, falando dos jovens que estão saindo com camisas com o retrato do Bruno, Quem viu a entrevista da Patricia há de entender o que digo, quando ela diz que domingo no Maracanã, uma família se aproximou e pediu para tirar uma foto, tinha uma menina
de sete anos que disse: se você ver o Bruno, diga que o amo.
Me emocionei, e chorei, por essa menina.
Como explicar a essas crianças e jovens que o atleta não era o que esperavam, e sim um bandido disfarçado de goleiro.
A verdade é que estamos (torcedores) de luto.

Homero Moutinho Filho disse...

Ednataly.

Você confundiu tudo que eu postei, talvez por repetir o mesmo discurso "politicamente correto" que eu detesto e não aceito.

Em primeiro lugar eu não disse que os ricos não cometem crimes, pelo contrário, mas ser rico ou de classe média alta, não significa ter educação, boa formação moral e uma família bem estruturada. Muitos não têm e praticam delitos.
Em segundo lugar, não acho justo alguém de boa educação, que trabalhou bastante para ter a sua casa bem localizada, ter de suportar vizinhos que não respeitam os limites, coloquem o som alto, façam badernas e orgias como estes jogadores e outros "famosos" que enriqueceram sem a devida preparação para conviverem com pessoas educadas.
Entre um corrupto educado, que respeite os limites do bom convívio em vizinhança e um boçal sem limites nem educação, prefiro ter o primeiro como vizinho, pois, pelo menos, não perturbará minha privacidade.
Em terceiro, não me comove esta conversa típica de quem alega "vitimização" e discriminação contra gordos, negros, gays, índios, etc, pois vivemos num país de oportunidades amplas para todos, ou nunca teriamos tantos atletas, cantores, artistas, etc, negros, gordos ou gays famosos.
Visite meu perfil no ORKUT e veja meus amigos gordos, gays, índios e negros, que estudaram, se formaram e são bem sucedidos em suas carreiras profissionais, sem nunca terem precisado de cotas (todos são contra)ou outros recursos demagógicos e socialmente injustos, que discriminam brasileiros.
Quem não vence é porque é preguiçoso, incapaz e malandro, pois quem tem méritos luta e consegue superar quaisquer obstáculos.
Em quarto, estamos cansados de sermos oprimidos e castrados em nosso direito constitucional de liberdade de expressão, opinião e crenças religiosas, por minorias militantes que conseguem cada vez mais direitos de censura e imposição de seus valores contra os de uma maioria silenciosa que preserva seus princípios morais herdados.

E mais.
Sou "politicamente INCORRETO" e estou pouco me lixando para o que achem de mim, preferindo externar minha opinião sincera, do que ter de "engolir sapos" sobre coisas que não aceito.

"Patrulhamento ideológico" pr'á cima de mim não cola.

Sol disse...

De alguns anos para cá, querem nos obrigar a engolir sapos, pererecas,falta de educação,falta respeito e civilidade, eu que moro na periferia, sei bem o que digo, nos finais de semana, me sinto invadida, pois, tenho que suportar,uma competição de mal gosto promovida por meus vizinhos, é, funk, de um lado, rap de outro, forrô, pagode, um hospício á céu aberto.

Solange

Homero Moutinho Filho disse...

SOL.

O melhor é infusão de Vick.

Sol disse...

Li, que em uma cidade do interior paulista, foi encontrado um corpo carbonizado, no final do mês de junho, como não houve identificação, enterraram-no como indigente, supõe-se pela estatúra, ser feminino, agora, estão pedindo exames de DNA,estranho não!?, se o "desaparecimento" aconteceu em Minas seria possível "desovar", tão longe? vixe! muito mais macabro.

Solange

Sol disse...

Sei que advogados de defesa usam de várias estratégias para "embolar" as investigações, mas este de Bruno passa dos limites, já acusou a polícia de tudo um pouco, até ter dado um "soco no peito" em Maka, jogando-o ao chão, será que não percebeu, que agindo assim, acaba por queimar ainda mais o filme do rapaz? pelo visto o amor verdadeiro é muito delicado, vai que "estoura o silicone?".

Solange